Projeto C.O.V.A.

Enterre-se nesta Cova se tiver coragem e ossos!!!

Aos Artistas Que Sobrevivem Nas Sombras Mais Inspiradoras E Aos Amantes Destas Sombras Na Forma De Arte, Poesia, Literatura E Música


A Prosa De Álvares de Azevedo

Compartilhe

Inominável Ser
Admin
Admin

Mensagens : 793
Data de inscrição : 19/05/2010
Idade : 40
Localização : Onde vivem os mortos

A Prosa De Álvares de Azevedo

Mensagem  Inominável Ser em Qui Out 04, 2012 3:53 pm


Inomináveis Saudações a todos.

Muito mais conhecido por sua poesia do que pela sua prosa, Álvares de Azevedo merece que este tópico seja criado a fim de centralizar-se nesta segunda e fundamental parte de toda a sua curtíssima (e riquíssima) obra. Parte que poderemos apreciar, examinar e discutir de maneira livre, permitindo-nos a emissão de opiniões próprias nascidas do que ela nos conduz a afirmar sobre sua natureza. Vou postar o primeiro conto que li de Noite Na Taverna, há pelos menos vinte anos atrás, Johann.


Johann
Pourquoi? c'est que mon coeur au milieu des délices
D'un souvenir jaloux constamment oppressé,
Froid au bonheur présent va chercher ses supplices dans l'avenir et le passé.
ALEX. DUMAS.




- Agora a minha vez! Quero lançar também uma moeda em vossa urna: e o cobre azinhavrado do mendigo: pobre esmola por certo!

Era em Paris, num bilhar. Não sei se o fogo do jogo me arrebatar a, ou se o kirsch e o curaçau me queimaram demais as idéias Jogava contra mim um moço: chamava-se Artur.

Era uma figura loira e mimosa como a de uma donzela. Rosa infantil lhe avermelhava as faces, mas era uma rosa de cor desfeita. Leve buço lhe sombreava o lábio, e pelo oval do rosto uma penugem doirada lhe assomava como a felpa que rebuça o pêssego.

Faltava um ponto a meu adversário para ganhar. A mim, faltavam-me não sei quantos: sei são que eram muitos e pois requeria-se um grande sangue frio, e muito esmero no jogar.

Soltei a bola. Nessa ocasião o bilhar estremeceu...

O moço loiro, voluntariamente ou não, se encostara ao bilhar...A bola desviou-se, mudou de rumo: com o desvio dela perdi A raiva levou-me de vencida. Adiantei-me para ele. A meu olhar ardente o mancebo sacudiu os cabelos loiros e sorriu como de escárnio.

Era demais! Caminhei para ele: ressoou uma bofetada. O moço convulso caminhou para mim com um punhal, mas nossos amigos nos sustiveram.

- Isso e briga de marujo. O duelo, eis a luta dos homens de brio.

O moço rasgou nos dentes uma luva, e atirou-ma a cara. Era insulto por insulto; lodo por lodo: tinha de ser sangue por sangue.

Meia hora depois tomei-lhe a mão com sangue frio e disse-lhe no ouvido:

- Vossas armas, senhor?

- Sabê-lo-eis no lugar.

- Vossas testemunhas?

- A noite e minhas armas.

- A hora?

- Já

- O lugar?

- Vireis comigo...Onde pararmos aí será o lugar...

- Bem, muito bem: estou pronto, vamos.

Dei-lhe o braço e saímos. Ao ver-nos tão frios a conversar creram uma satisfação. Um dos assistentes contudo entendeu-nos.

Chegou a nós e disse:

- Senhores, não há pois meio de conciliar-vos?

Nós sorrimos ambos.

- E uma criançada, tornou ele.

Nós não respondemos.

- Se precisardes de uma testemunha, estou pronto.

Nós nos curvamos ambos.

Ele entendeu-nos: viu que a vontade era firme: afastou-se.

Nós saímos.

Um hotel estava aberto. O moço levou-me para dentro.

- Moro aqui, entrai, disse-me.

Entramos.

- Senhor, disse ele, não há meio de paz entre nós: um bofetão e uma luva atirada as faces de um homem saco nódoas que só o sangue lava. E pois um duelo de morte.

- De morte, repeti como um eco.

- Pois bem: tenho no mundo só duas pessoas - minha mãe e Esperei um pouco.

O moço pediu papel, pena e tinta. Escreveu: as linhas eram poucas. Acabando a carta deu-ma a ler.

- Vede - não e uma traição, disse.

- Artur, creio em vos: não quero ler esse papel.

Repeli o papel. Artur fechou a carta, selou o lacre com um anel que trazia no dedo. Ao ver o anel uma lágrima correu-lhe na face e caiu sobre a carta.

- Senhor, sois um homem de honra? Se eu morrer, tomai esse anel: no meu bolso achareis uma carta: entregareis tudo a ...Depois dir-vos-ei a quem...

- Estais pronto? perguntei.

- Ainda não! antes de um de nós morrer e justo que brinde o moribundo ao ultimo crepúsculos da vida.

Não sejamos Abissínios: demais o sol no cinábrio do poente ainda e belo.

O vinho do Reno correu em águas d'oiro nas taças de cristal verde. O moço ergueu-se.

- Senhor, permita que eu faça uma saúde convosco.

- A quem?

- E um mistério - é uma mulher, e o nome daquela que se apertou uma vez nos lábios, a quem se ama, e um segredo. não a fareis?

- Seja como quiserdes, disse eu.

Batemos os copos. O moço chegou a janela. Derramou algumas gotas de vinho do Reno a noite. Bebemos.

- Um de nós fez a sua última saúde, disse ele. Boa noite, para um de nós bom leito, e sono sossegado para o filho da terra!

Foi a uma secretária, abriu-a: tirou duas pistolas.

- Isto e mais breve, disse ele. Pela espada e mais longa a agonia. Uma delas esta carregada, a outra não. Tirá-las-emos a sorte. Atiraremos a queima-roupa.

- É um assassinato

- Não dissemos que era um duelo de morte, que um de nós devia morrer?

- Tendes razão. Mas dizei-me: onde iremos?

- Vinde comigo. Na primeira esquina deserta dos arrabaldes. Qualquer canto de rua e bastante sombrio para dois homens dos quais um tem de matar o outro.

A meia-noite estávamos fora da cidade: Ele pôs as duas pistolas no chão.

- Escolhei, mas sem tocá-las.

Escolhi.

- Agora vamos, disse eu.

- Esperai, tenho um pressentimento frio: e uma voz suspirosa me geme no peito. Quero rezar e uma saudade por minha mãe.

Ajoelhou-se. A vista daquele moço de joelhos - talvez sobre um túmulo - lembrei-me que eu também tinha mãe e uma irmã e que eu as esquecia. Quanto a amantes, meus amores eram como a sede dos cães das ruas, saciavam-se na água ou na lama Eu só amara mulheres perdidas.

- É tempo, disse ele.

Caminhamos frente a frente. As pistolas se encostaram nos peitos - as espoletas estalaram: um tiro só estrondou, ele caiu quase morto.

- Tomai, murmurou o moribundo, e acenava-me para o bolso.

Atirei-me a ele. Estava afogado em sangue. Estrebuchou três vezes e ficou frio. Tirei-lhe o anel da mão. - Meti-lhe a mão no bolso como ele dissera. Achei dois bilhetes.

A noite era escura: não pude lê-los.

Voltei a cidade. A luz baça do primeiro lampião vi os dois bilhetes. O primeiro era a carta para sua mãe. O outro estava aberto: li.

"A uma hora da noite na rua de número sessenta, primeiro andar, acharas a porta aberta. Tua G."

Não tinha outra assinatura.

Eu não soube o que pensar. Tive uma idéia: era uma infâmia.

Fui a entrevista. Era no escuro. Tinha no dedo o anel que trouxera do morto...Senti uma mãozinha acetinada tomar-me pela mão, subi. A porta fechou-se.

Foi uma noite deliciosa! A amante do loiro - era virgem! Pobre Romeu! Pobre Julieta! Parece que essas duas crianças levavam a noite em beijos infantis e em sonhos puros!

(Johann encheu o copo: bebeu-o, mas estremeceu)

Quando eu ia sair, topei um vulto a porta.

- Boa noite, cavalheiro, eu vos esperava há muito. Essa voz pareceu-me conhecida. Porem eu tinha a cabeça desvairada.

Não respondi: o caso era singular. Continuei a descer: o vulto acompanhou-me. Quando chegamos a porta vi luzir a folha de uma faca. Fiz um movimento e a lamina resvalou-me no ombro. A luta fez-se terrível na escuridão. Eram dois homens que se não conheciam; que não pensavam talvez terem-se visto um dia a luz, e que não haviam mais ver-se porventura ambos vivos.

O punhal escapou-lhe das mãos, perdeu-se no escuro: subjuguei-o. Era um quadro infernal, um homem na escuridão abafando a boca do outro com a mão, sufocando-lhe a garganta com o joelho, e a outra mão a tatear na sombra procurando um ferro.

Nessa ocasião senti uma dor horrível: frio e dor me correram pela mão. O homem morrera sufocado, e na agonia me enterrara os dentes pela carne. Foi a custo que desprendi a mão sanguenta e descarnada da boca do cadáver. Ergui-me.

Ao sair tropecei num objeto sonoro. Abaixei-me para ver o que era. Era uma lanterna furta-fogo. Quis ver quem era o homem. Ergui a lâmpada...

O ultimo clarão dela banhou a cabeça do defunto...e apagou-se...

Eu não podia crer: era um sonho fantástico toda aquela noite. Arrastei o cadáver pelos ombros levei-o pela laje da calcada ate ao lampião da rua, levantei-lhe os cabelos ensangüentados do rosto... (Um espasmo de medo contraiu horrivelmente a face do narrador - tomou o copo, foi beber: os dentes lhe batiam como de frio: o copo estalou-lhe nos lábios).

Aquele homem - sabei-lo! era do sangue do meu sangue - era filho das entranhas de minha mãe como eu - era meu irmão: uma idéia passou ante meus olhos como um anátema. Subi ansioso ao sobrado. Entrei. A moca desmaiara de susto ouvindo a luta. Tinha a face fria como o mármore. Os seios nus e virgens estavam parados e gélidos como os de uma estátua A forma de neve eu a sentia meio nua entre os vestidos desfeitos, onde a infâmia asselara a nódoa de uma flor perdida.

Abri a janela - levei-a ate aí...

Na verdade que sou um maldito! Olá, Archibald, dai-me um outro copo, enche-o de conhaque enche-o até a borda! Vede: sinto frio, muito frio: tremo de calafrios e o suor me corre nas faces! Quero o fogo dos espíritos! a ardência do cérebro ao vapor que tonteia...quero esquecer!

- Que tens, Johann? tiritas como um velho centenário!

- O que tenho? o que tenho? não o vedes, pois? Era minha irmã!


_________________

Cova Abismal De Poemas Sombrios

    Tópicos similares

    -

    Data/hora atual: Sex Dez 02, 2016 9:17 pm