Projeto C.O.V.A.

Enterre-se nesta Cova se tiver coragem e ossos!!!

Aos Artistas Que Sobrevivem Nas Sombras Mais Inspiradoras E Aos Amantes Destas Sombras Na Forma De Arte, Poesia, Literatura E Música

    The Cure

    Compartilhe

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    The Cure

    Mensagem  Elektra em Dom Nov 07, 2010 12:23 pm

    THE CURE






    Banda de rock gótico/pós punk/new wave criada em 1976 em Crowley, Inglaterra.
    Robert Smith é o líder e único elemento constante desde a sua formação.Multi instrumentalista, produtor, cantor e compositor.

    Em 1992, a NME afirmou que The Cure se tornaram durante os anos 80 "uma máquina de sucessos gótica (19 até hoje), um fenómeno internacional e, sim, a banda alternativa mais bem sucedida que já vagou desconsoladamente pela Terra".

    O seu som primário tem linhas de baixo melódicas e dominantes, voz lamuriosa e sufocante e uma obssessão liríca com o existencial, quase um desespero literário.

    A história dos The Cure, confunde-se com a de Robert Smith, que nasceu em 21 de Abril de 1959 em Blackpool, Norte da Inglaterra. Passados poucos anos, estabelece-se com a família em Crawley, um subúrbio de Londres. Durante a sua adolescência é um rapaz problemático chegando a ser suspenso da escola que frequentava por ser considerado má influência para os seus colegas de escola; embora tenha voltado à escola normalmente sem que ninguém desse conta. A sua ligação à música, começa apesar de tudo na sua escola, que permitia aos alunos nos períodos em que não tinham aulas usarem esse tempo em actividades culturais, em vez de ficarem retidos em salas de estudo. Robert Smith decide então formar uma banda para se divertir com os seus colegas de turma.

    Surgem com o nome The Obelisk.O grupo(colegas de escola da Notre Dame Middle School de Crawley Sussex, fez a sua apresentação em público em abril de 1973 e contava com Robert Smith no piano, Michael Dempsey e Marc Ceccagno na guitarra, Laurence "Lol" Tolhurst na percusssão e Alan Hill no baixo. Em Janeiro de 1976, após deixar os Obelisk, Marc Ceccagno forma os Malice com Robert Smith, agora também na guitarra, e Michael Dempsey, que passou a baixista, juntamente com outros dois companheiros de turma da St. Wilfrid's Catholic Comprehensive School. Ceccagno abandonou pouco depois o projecto para formar uma banda de Jazz-rock fusion chamada Amulet. Pouco tempo depois, Lol Tolhurst, dos Obelisk, e Porl Thompson, já bastante conhecido na região pelas suas aptidões, entram para os Malice na bateria e guitarra solo, respectivamente. Após várias tentativas para conseguirem um novo vocalista, Peter O'Toole assumiu a posição. Neste periodo faziam releituras de David Bowie, Alex Harvey, Jimi Hendrix, entre outros e começaram também a escrever o seu próprio material.
    Em Janeiro de 1977, após alguns concertos pouco satisfatórios e por estarem crescentemente a serem influenciados pelo surgimento do punk rock, os Malice passaram a ser conhecidos como Easy Cure, nome retirado de uma canção de Lol Tulhurst. No mesmo ano, ganharam um concurso de talentos promovido pelo selo alemão Hansa Records e receberam um contrato de gravação. Apesar da banda ter gravado faixas para a editora, nenhuma foi lançada. Em Setembro do mesmo ano, Peter O'Toole abandonou o grupo e Smith assumiu o papel de vocalista.Seguindo desavenças em Março de 1978 sobre a direcção que a banda deveria tomar - tendo o grupo rapidamente percebido que ganharam o concurso não pelo seu valor, mas pela sua imagem, o contrato com a Hansa foi desfeito.Smith mais tarde lembrou "Nós éramos muito jovens. Eles simplesmente pensaram que nos podiam transformar num grupo adolescente. Na verdade eles queriam que nós fizessemos releituras e nós sempre recusávamos".
    Robert Smith deixa de achar piada ao nome da banda e muda-o para The Cure,naquele tempo todas as bandas tinham o "The"antes do nome, e "The Easy Cure" não soava bem, Entretanto Robert Smith começa também a não gostar dos solos de Porl, pois pretendia um som cada vez mais minimalista, daí que em pouco tempo Porl Thompson também abandonaria o projecto.
    Nesta altura os The Cure passam a ser um trio composto apenas por Robert na voz e guitarra, Michael Dempsey no baixo e Lol Tolhurst na bateria. Enviam as suas demos a todas as maiores editoras, mas não obtêm qualquer resposta, excepto do A&R da Polydor, Chris Parry.Após uma longa conversa, com vários copos à mistura, assinam um contrato com Parry mas não pela Polydor, mas pela sua própria editora que acabara de criar, a Fiction Records, tornando os The Cure a primeira banda a assinar por esta editora.
    O primeiro single da banda, "Killing an Arab" é lançado no Natal de 1978, single esse que é bem recebido pela crítica inglesa sem no entando deixar de criar polémica junto de pessoas menos informadas que pensaram que a música teria conteúdo racista. O primeiro álbum, Three Imaginary Boys, só sai em Junho de 1979, e foi igualmente recebido com muito boas críticas.
    No entanto o som que caracteriza o álbum, ainda com algumas influências punk, músicas rápidas e directas, já não são a imagem do Robert Smith desta altura mas sim de um Robert do passado, do periodo Easy Cure.
    A capa original deste álbum tem a particularidade de não ter imagem alguma da banda mas sim três objectos comuns a representar a banda (candeeiro, aspirador e um frigorífico) e não ter o nome das músicas, apenas umas imagens relacionadas com cada uma delas, criando um certo mistério em torno da banda. Mas o que Chris Parry queria demonstrar com esta atitude era que a banda valia pela sua música e não pela sua imagem. Nesta altura eles queriam demonstrar que eram apenas simples pessoas a fazer música, sem qualquer tipo de imagem.

    Começam a tourné de promoção ao álbum e pouco depois são convidados para serem a banda de suporte para a banda Siouxsie & The Banshees.. Após uma invulgar deserção no seio desta banda em plena tourné, Robert Smith, como perfeito cavalheiro oferece-se para o lugar de guitarrista até ao fim desta e passaria a fazer os dois sets, tanto pelos Cure como pelos Banshees.É nesta altura que se dá um episódio engraçado que marcaria os The Cure para sempre:Numa das noites ,antes de entrar em palco como guitarrista dos Siouxsie And The Banshees, Robert Smith inspirado na imagem de Siouxsie, usa o batom de Siouxsie e pinta os seus lábios (mal por sinal, pois fica todo esborratado), e despenteia o cabelo tentando assim integrar-se na banda .... foi um sucesso absoluto... tinha criado a sua imagem de marca para todo o sempre.

    Editam o single "Boys Don't Cry" em Junho que não obtém o sucesso esperado.
    O terceiro single dos The Cure, "Jumping Someone Else's Train" foi lançado no começo de Outubro de 1979. Pouco após, Dempsey foi expulso da banda pela sua fria recepção ao material que Smith havia escrito para o álbum seguinte.Dempsey juntou-se aos Associates, enquanto o baixista Simon Gallup e o teclista Matthieu Hartley da banda de post-punk/new wave de Horley, The Magspies, se juntaram aos The Cure.Os The Associates seriam a banda de abertura para os The Cure inicialmente e The Passions na turnée inglesa Future Pastimes entre Novembro e Dezembro, com a nova formação dos Cure já a tocar algumas canções do projectado segundo álbum.Enquanto isso, uma banda paralela formada por Smith, Tolhurst, Dempsey, Gallup, Hartley e Thompson, com vozes de apoio de família e amigos, e com o carteiro local, Frankie Bell, a vocalista, lançaram um single de 7 polegadas em Dezembro sob o nome presumido de Cult Hero.

    Após a gravação deste primeiro álbum, Robert inicia pouco depois a gravação do periodo mais "negro" dos The Cure; a trilogia, Seventeen Seconds, Faith e Pornography. Este período é considerado por uma parte consideravel de fãs como a melhor fase da banda, na qual foram produzidas canções belas e soturnas como "A Forest", "Play For Today", "Primary", "All Cats Are Grey", "Faith", "Charlotte Sometimes", "One Hundred Years", "The Figurehead" ou "A Strange Day". À ilusão do Seventeen Seconds, segue-se a letargia do desespero em Faith. Todo esse desespero e emoções contidas transformam-se em raiva, ódio e num desespero ainda mais exacerbado em Pornography, tornando este álbum um marco para a música alternativa.
    Robert Smith, que estava insatisfeito por não ter o controlo sobre certos aspectos, nesta altura passou a tomar as rédeas de todo o processo criativo e co-produziu Seventeen Seconds juntamente com Mike Hedges.A Forest foi o primeiro single dos Cure a entrar no top de singles do Reino Unido, e foi a primeira música que se pôde ouvir deste novo período.Bastante diferente do que tinha sido feito anteriormente, é no entanto, a essência deste novo período e mesmo de toda a carreira.

    Após a tourné de 1980, Matthieu Hartley deixa a banda, por considerar que a música que faziam era sombria demais para ele.
    Em 1981, satisfeitos com o ambiente reproduzido por Mike Hedges, gravam novamente com este produtor, desta vez o album Faith, que consegue levar mais adiante o ambiente depressivo presente no álbum anterior.
    Na Picture Tour de 1981 os concertos assemelhavam-se a cerimónias religiosas, com uma atmosfera altamente depressiva ao ponto da audiência não aguentar e provocar graves tumultos. Nesta tourné, antes dos concertos, em vez de uma banda de suporte, apresentavam o filme Carnage Visors de Ric Gallup (irmão de Simon Gallup), um filme animado que criava a atmosfera pretendida para o início do concerto.Robert Smith vivia tão obsorvido neste ambiente depressivo, que em certas ocasiões chegava a terminar os concertos em lágrimas; já para o fim da tournée recusava-se a tocar músicas do primeiro álbum.
    Em 1982 editam um dos álbuns mais importantes da banda, Pornography, que é o pico deste período mais sombrio da banda. Um álbum gravado no limite da lucidez já muito perto da insanidade, provocada por vários excessos, sendo o mais evidente o consumo desmesurado de todo o tipo de drogas.Este comportamento por parte de todos os membros da banda, torna-os demasiado frios e distantes e iria criar problemas entre eles em pouco tempo.Este álbum inicia com a linha, "It doesn't matter if we all die" ("Não interessa se todos morrermos"), que define exactamente o pensamento da banda nesta altura. O desespero e o ódio presente no álbum pode ser abreviado pela concisão dessas primeiras palavras que ouvimos neste álbum.
    Apesar das preocupações legítimas quanto a este álbum não ter um som comercial, é o primeiro álbum da banda a atingir o top 10 no top do Reino Unido, atingindo o oitavo posto.
    Nesta altura começam também a alterar a sua postura de não-imagem e encetam uma mudança no seu visual na digressão do álbum Pornography. Pintam os olhos com batom (que com o suor dava uma sensação de estarem a sangrar dos olhos) e começam a deixar crescer o cabelo duma forma desgrenhada.

    Vivia-se um ambiente de "cortar à faca" dentro da banda e os concertos eram feitos quase sem qualquer diálogo entre os membros. Este período, que levou os membros da banda ao limite das suas capacidades físicas e psíquicas, culminou em cenas de pancadaria entre Simon Gallup e Robert Smith em plena tourné de 1982.Os The Cure como eram conhecidos até então tinham acabado. No fim da tourné a banda tinha acabado, apesar de oficialmente, o fim nunca ter sido confirmado.Simon Gallup estava fora da banda.
    Por outro lado, Robert nesta altura estava com intenções de terminar com os Cure ou no mínimo, com todo o misticismo à sua volta, daí que não foi muito difícil convence-lo a gravar algo completamente antagónico ao que os Cure representavam até esta altura. Assim ainda no fim de 1982, surge o single Let's Go To Bed e mais tarde já em 1983, The Walk (#12/UK) e The Lovecats (#7/UK). Como Lol Tolhurst já não conseguia evoluir mais na bateria, passou para os teclados. Andy Anderson, seria o baterista nestas gravações e futuramente seria o novo baterista da banda enquanto que o produtor e baixista, Phil Thornalley seria o novo baixista.
    Nesta altura, numa altura de indefinição quanto ao futuro dos Cure, Robert Smith inicia um projecto paralelo com o baixista dos Banshees, Steve Severin de nome The Glove. Apenas editam um álbum que foi bastante marcante para os dois, Blue Sunshine. Andy Anderson seria o baterista dos The Glove.

    Em 1984 os The Cure editam The Top, já com Porl Thompson, que já tinha estado ligado aos Easy Cure. Este é um álbum na globalidade psicadélico, também influênciado pela passagem do Robert pelos Banshees e também pela digressão que estes fizeram por Israel. É bastante diferente de tudo já alguma vez feito e deveras estranho, mas que com o tempo se torna cada vez mais apelativo e cativante. Um álbum que de tão estranho, foi recebido friamente e em parte Robert concorda com as críticas pois segundo ele, na altura, os The Cure eram ele e umas quantas pessoas e não verdadeiramente uma banda, de maneira que álbum foi quase completamente feito por ele. Robert Smith tocou neste álbum todos os instrumentos, com a excepção da bateria e saxofone. The Caterpillar (#14/UK) é o único single deste álbum. Da tour de 1984 seria editado um vídeo gravado no Japão denominado de Live In Japan.

    Em 1985, após uma longa conversa num bar, Simon Gallup regressa aos Cure e Andy Anderson entretanto já tinha sido substituido por Boris Williams na tournée do The Top. The Head On The Door é lançado e desta vez conseguem verdadeiramente atingir o mainstream. Os singles "In Between Days" e "Close To Me" são músicas que ainda hoje se ouvem em qualquer lugar. Para além desses clássicos este álbum possui outras preciosidades que marcam a história da banda como a "Sinking", "Push", "The Baby Screams", "A Night Like This", entre outras. Foi um álbum que marcou a banda e os deu a conhecer ao mundo, pois até aqui tinham sido uma banda apenas conhecida em certos circuitos alternativos. Uma particularidade deste álbum é que a música "The Blood" teria sido escrita após Robert Smith ter bebido uma garrafa de vinho do Porto, Lágrima de Cristo.

    Em 1986 é quando os The Cure se tornam num fenómeno de popularidade assim que lançam a compilação Standing on a Beach / Staring at the Sea. "Boys Don't Cry", que, em 1980, quando foi lançada, não teve o sucesso esperado, em 1986 torna-se um hino da banda. Neste mesmo ano, Robert Smith chocou o mundo da música quando apareceu de cabelo cortado; a MTV dedicou vários blocos noticiosos acerca do assunto. Acerca do assunto, Robert afirma: "É muito mau quando as pessoas te reconhecem pelo teu corte de cabelo e não pela música. Eu estava farto de ver tantas pessoas que se pareciam comigo."Da tour de 1986 seria editado o vídeo In Orange.

    Em 1987 gravam no sul de França um disco duplo, Kiss Me Kiss Me Kiss Me, um projecto arrojado, com músicas pop belas contrastando com músicas cheias de raiva, relembrando o periodo mais negro da banda. "Why Can't I Be You?", "Catch", "Hot Hot Hot!!!" e "Just Like Heaven" são algumas músicas do lado pop, que contrastam com "The Kiss", "Torture" ou "If Only Tonight We Could Sleep", "The Snakepit" entre outras. Actuam pela primeira vez num país lusófono - o Brasil, com oito concertos: três no Ibirapuera em São Paulo, dois no Gigantinho em Porto Alegre, dois no Maracanãzinho no Rio de Janeiro e um no Mineirinho em Belo Horizonte.Lol Tolhurst, estava com cada vez mais dificuldades para actuar ao vivo devido aos seus problemas de alcoolismo.

    Em 1989, surge o album que é considerado de uma forma mais ou menos consensual o melhor álbum da banda Disintegration. Gravado numa fase particularmente difícil para o Robert, que na altura vivia a angústia da passagem para os trinta anos e da consciencialização de que o passado não volta, conseguiu canalizar todo o seu desespero para as suas letras e música. Nunca o triste e belo estiveram tão perto da perfeição e foi considerado o álbum do ano para a Melody Maker. Com este disco e especialmente com os singles alcançam bastante atenção mundial. "Fascination Street", "Pictures Of You", e principalmente, "Lullaby" e "Lovesong" atingem óptimas posições nos "tops". Laurence Tolhurst, é afastado da banda devido aos seus problemas com o álcool e fraca contribuição para a banda, após um últimato do resto da banda a Robert Smith; Roger O'Donnell que já tinha sido contratado em 1987, assegura a função totalmente. Após uma tourné mundial que pela primeira vez passa por Portugal, no Estádio de Alvalade em Lisboa,Robert despede-se com um "goodbye and I'll never see you again" ("adeus e eu nunca mais vos verei novamente"). Também afirmou à imprensa que esta seria a última tourné que faria. No entanto as suas ameaças não se viriam a confirmar.

    Em 1990, "Lullaby" recebe um Brit Award para a categoria de "melhor videoclip".Neste mesmo ano O'Donnell opta por deixar a banda e é substituído por um roadie, Perry Bamonte, que nunca tinha tocado teclados na vida. Ainda em 1990, Robert Smith surpreende todo o mundo com um álbum de remixes de algumas das suas mais conhecidas músicas. Mixed Up é o nome do álbum, o qual choca tanto a crítica mundial como os seus próprios fãs. Deste album serão extraídos os singles, "Never Enough" e "Close To Me" versão remix.

    Em 1991, os leitores do jornal de música britânico Sounds elegem os The Cure como a "melhor banda ao vivo". Ganham também o prémio para "melhor vídeo promocional" ("Never Enough"), enquanto Robert ganha o prémio de "melhor músico" e "melhor voz masculina".Ainda em 1991, vencem outro Brit Award; desta vez são distinguidos como a "melhor banda britânica".

    Em 1992 sai um novo disco de originais, Wish, que tinha a difícil missão de superar o admirável Desintegration. Por isso mesmo para muitos foi uma decepção mas esquecendo o facto de ser praticamente impossível superar tal álbum, Wish não deixa de ser notável. "A Letter To Elise", "High" e especialmente "Friday I'm In Love" foram os singles que mais uma vez atingiram os "tops" mundiais. O álbum atingiu o top de albuns mais vendidos no Reino Unido e foi segundo nos Estados Unidos.Ignorando a parte comercial, este álbum possui igualmente temas incontornáveis como "Open", "From the Edge of the Deep Green Sea", "To Wish Impossible Things", entre outras. Foi o álbum de originais dos Cure que mais vendeu.
    Os The Cure tinham atingido o auge da sua fama. Seguiu-se mais uma gigantesca tourné mundial, da qual seriam editados dois álbuns; Show (com o lado mais comercial) e Paris (priorizando as canções mais intimistas). Aqui terminava mais uma fase dos The Cure. Boris Williams e Porl Thompson estavam de partida.
    Após a debandada, Robert Smith estava também a lidar com o processo que Lol Tolhurst lhe moveu em 1991, contra a sua pessoa e a Fiction Records, por direitos sobre o nome da banda e mais direitos financeiros que julgava ter.Apesar de ter perdido o caso, Lol Tolhurst causa danos na banda, que neste periodo praticamente deixou de existir.

    Em 1995, Robert consegue juntar alguns elementos e começa a pensar mais seriamente num novo álbum. Roger O'Donnell tinha sido convidado de novo para os teclados, Perry deixa os teclados e passa para a guitarra a tempo inteiro e Simon continua no baixo. Como solução para a falta de baterista, decidem colocar um anúncio na NME. Jason Cooper consegue o lugar.Fazem uma pequena tourné por festivais europeus, incluindo o Super Bock Super Rock em Lisboa.

    Em 1996 sai o novo álbum, Wild Mood Swings, após o Wish de 1992, um período demasiado longo para um mundo demasiado activo e sedento de novas direcções que praticamente já os tinha esquecido e vivia absorvido pela moda do britpop. No entanto o álbum fica bastante longe das expectativas criadas mesmo pelos próprios fãs. Um álbum bastante heterogéneo e com umas sonoridades completamente atípicas até então. Pela primeira vez um álbum de originais dos Cure tinha vendido menos que o seu antecessor.Seguiu-se uma nova tourné mundial, que mesmo apesar do fracasso comercial do álbum, enchia os recintos por todo o mundo. Apresentam-se novamente em terras tupiniquins no Pacaembu em São Paulo e na última edição do Hollywood Rock Festival no Rio de Janeiro,motivados por um abaixo-assinado de fãs brasileiros. Iniciava-se uma longa travessia no deserto, preenchida por alguns festivais de verão, algumas colaborações e uma nova compilação de singles em 1997 entitulada Galore, que não teve o sucesso esperado.

    Ainda em 1998 passam pela terceira vez em Portugal, inseridos uma vez mais no contexto de uma pequena tourné por alguns festivais europeus; agora regressavam para um concerto no Festival do Sudoeste, em Portugal,e para o primeiro concerto na Galiza, na Praia de Riazor, na Corunha.

    Em 2000 os The Cure regressam para, segundo Robert Smith, completar a trilogia iniciada com os álbuns Pornography e Disintegration que agora seria completada com Bloodflowers e logo após a tourné de suporte para o álbum, acabaria com os Cure.Mais uma vez a sua "ameaça" não seria concretizada. O disco, apesar de não estar ao nível dos outros dois, reanima sem dúvida os The Cure, reavivando o entusiasmo pela banda, mesmo sem qualquer single editado. O album foi nomeado para um Grammy Award na categoria de melhor álbum de rock alternativo.Seguiu-se uma nova tourné mundial, que foi vista por mais de um milhão de pessoas e uma certa aclamação geral pela banda. Este seria o último álbum de originais que gravariam pela Fiction Records.

    Em 2002 realizaram uma nova tournée europeia por festivais do velho continente, incluindo novamente o Festival do Sudoeste em Portugal e em Novembro do mesmo ano, realizaram os notórios concertos da trilogia (Pornography, Disintegration e Bloodflowers) nas cidades de Bruxelas e Berlim. Em cada uma destas três noites a banda apresentou ao vivo as três obras completas perante uma audiência em delírio. As duas últimas noites podem ser revistas parcialmente no DVD Trilogy entretanto editado pela banda.

    A banda é considerada uma das bandas que mais influênciou o rock alternativo moderno.E com isto a banda recebe um prémio da revista inglesa Q, "The Most Inspiring Band" perante uma plateia que recebeu Robert Smith de pé.

    Em 2004 lançam um novo álbum com o simples título de The Cure, gravado pela Geffen Records e produzido por Ross Robinson. Aclamado pela imprensa internacional e pelos fãs e segundo alguma imprensa, o melhor álbum desde o Disintegration.A MTV promove uma homenagem aos The Cure, MTV Icon, com a presença de bandas que nos apresentam covers da banda ou de alguns músicos em representação das suas bandas que falam acerca do quão importantes foram os The Cure para as suas bandas e para eles próprios. Estiveram presentes: Razorlight, AFI, Red Hot Chili Peppers, Audioslave, Air, Good Charlotte, The Rapture, The Killers, Marilyn Manson, Metallica, Interpol, Deftones, Blink-182, Placebo, etc.
    Entram para o Rock Walk of Fame, e passam a figurar ao lado das maiores lendas de música rock mundial.Fazem uma pequena tourné européia que passa pelo Festival de Vilar de Mouros, em Portugal e Festival Xacobeo, em Santiago de Compostela, Galiza.Após esta, Perry e Roger saem da banda sem grandes revelações dos motivos e Porl Thompson regressa. A re-estreia deu-se no palco de Paris do Live 8.

    Em 2005 fazem uma nova tournée com a "nova banda" por alguns dos maiores festivais Europeus e que em 2006 seria editado em DVD com o nome Festival 2005. Durante o período entre 2005 e 2007 Robert Smith tem adiado sucessivamente a apresentação do próximo álbum da banda alegando falta de inspiração, inclusive adiando uma tournée que passaria pelos Estados Unidos e Canadá a fim de terminar o álbum o mais rápido possível. Em Julho de 2007 teve início uma digressão mundial que começou na Ásia e passou pela Oceânia (Austrália e Nova Zelândia) mas foi abruptamente adiada quando se preparava para chegar aos Estados Unidos pelos motivos acima referidos. Em 2008 esta tournée passou pela Europa, incluindo um concerto no Pavilhão Atlântico em Portugal,seguindo posteriormente para a América do Norte


    The Cure na cultura popular
    Várias referências foram feitas aos The Cure e à sua música na cultura popular.Diversos filmes usaram títulos de canções dos Cure como títulos de filme, incluindo Boys Don't Cry (1999) e Just Like Heaven (2005). A série de TV One Tree Hill tem feito várias referências ao grupo: vários episódios têm nomes de canções como "To Wish Impossible Things", "From The Edge of the Deep Green Sea", "The Same Deep Water as You" e "Pictures of You". A música "Apart" teve um papel proeminente em um dos últimos episódios da 1ª temporada. Adicionalmente, na 3ª temporada, Peyton e Elie entram em uma discussão quanto a qual é o melhor álbum dos Cure: Disintegration ou Wish.

    Em algumas situações, a imagem obscura dos Cure tem sido parodiada. No segundo ano de The Mighty Boosh, The Moon canta o refrão de "The Lovecats". Noutro ponto desta série, um poderoso spray para cabelo, o Goth Juice, é dito ser "O mais poderoso spray de cabelo conhecido pelo homem; feito das lágrimas de Robert Smith". The Mary Whitehouse Experience mostrava frequentemente breves clipes das estrelas do show cantando músicas cómicas e rimas de enfermaria como os The Cure em um estilo deprimente. Robert Smith apareceu no episódio final da primeira série de The Mary Whitehouse Experience, dando um soco no personagem Ray (interpretado por Robert Newman) enquanto murmurando a frase de impacto de Ray "Oh no what a personal disaster" ("Oh não, que desastre pessoal").

    Robert Smith deu voz a si próprio na primeira temporada da série animada South Park a pedido de um dos criadores, Trey Parker, um fã dos Cure. Smith apareceu no episódio "Mecha-Streisand", aonde lutou contra a gigante metálica Barbra Streisand. Assim que se afasta triunfante pela montanha acima no fim do episódio, o personagem Kyle Broflovski grita "O Desintegration é o melhor album de sempre"

    O grupo também compôs canções inéditas para filmes, como "Burn" para O Corvo, "More Than This" em Ficheiros Secretos e "The Dredd Song" para Juiz Dredd. Outras canções foram incluídas em bandas sonoras, tais quais "Boys Don't Cry" em The Wedding Singer e Busenfreunde; "In Between Days" em Grosse Pointe Blank; "Just Like Heaven" em Judas Kiss, Gypsy 83, Just Like Heaven e The Man Who Loved Ynge; "Doing the Unstuck" em Gypsy 83; Career Girls, American Psycho e Marie Antoinette.

    Também apareceu em séries televisivas como Melrose Place, One Tree Hill, Beavis and Butt-Head, Cold Case, Reunion, entre outras.

    Também fazem uma cover de "World In My Eyes" para o álbum de tributo aos Depeche Mode, For The Masses.

    DISCOGRAFIA

    1979 - Three Imaginary Boys
    1980 - Seventeen Seconds
    1981 - Faith
    1982 - Pornography
    1984 - The Top
    1985 - The Head On The Door
    1987 - Kiss Me Kiss Me Kiss Me
    1989 - Disintegration
    1992 - Wish
    1996 - Wild Mood Swings
    2000 - Bloodflowers
    2004 - The Cure
    2008 - 4:13 Dream

    SINGLES

    1978 - Killing An Arab/ 10.15 Saturday Night (Small Wonder 7")
    1979 - Killing An Arab / 10.15 Saturday Night (Fiction Records 7")
    1979 - Boys Don't Cry / Plastic Passion
    1979 - Jumping Someone Else's Train / I'm Cold
    1980 - 10:15 Saturday Night
    1980 - A Forest / Another Journey By Train
    1981 - Primary / Descent
    1981 - Charlotte Sometimes / Splintered In Her Head
    1982 - The Hanging Garden / Killing An Arab (Live in Manchester '82)
    1982 - Let's Go To Bed / Just One Kiss
    1983 - The Walk / The Dream
    1983 - The Lovecats / Speak My Language
    1984 - The Caterpillar / Happy The Man
    1984 - Excerpt - The Cure Live (nur Europa, 12")
    1985 - In Between Days / The Exploding Boy
    1985 - Close To Me / A Man Inside My Mouth
    1985 - Quadpus (US, CAN; 12")
    1985 - Half An Octopuss (UK, 10")
    1986 - Boys Don't Cry (Remix) aka Boys Don't Cry '86
    1986 - Let's Go To Bed (Re-Release) (US, CAN)
    1986 - Charlotte Sometimes (Re-Release) (D, F)
    1987 - Why Can't I Be You? / A Japanese Dream
    1987 - Catch / Breathe
    1987 - Just Like Heaven / Snow In Summer
    1988 - Hot Hot Hot!!! / Hot Hot Hot!!! (Ext. Remix)
    1989 - Lullaby / Babble
    1989 - Fascination Street / Out Of Mind (US, CAN)
    1989 - Lovesong / 2 Late
    1990 - Pictures Of You / Last Dance (Live Wembley Arena '89)
    1990 - Never Enough / Harold And Joe
    1990 - Close To Me (Remix) aka Close To Me '90
    1990 - A Forest (Remix) (F)
    1992 - High / This Twilight Garden
    1992 - Friday I'm in Love / Halo
    1992 - A Letter To Elise / The Big Hand
    1993 - Sideshow (live; US, AUS; CD)
    1996 - The 13th (Swing Radio Mix) / It Used To Be Me / Ocean / Adonais (D)
    1996 - The 13th (Swing Radio Mix) / It Used To Be Me
    1996 - The 13th (Two Chord Cool Mix) / Ocean / Adonais (GB1)
    1996 - The 13th (Swing Radio Mix) / It Used To Be Me / The 13th (Killer Bee Mix) (GB2)
    1996 - Mint Car (Radio Mix) / Home / Waiting / A Pink Dream
    1996 - Mint Car (Electric Mix) / Waiting / A Pink Dream / Mint Car (Busker Mix) (US)
    1996 - Gone! (Radio Mix) / Gone! (Critter Mix) / Gone! (Ultra Living Mix) / Gone! (Spacer Mix)
    1996 - Strange Attraction (Adrian Sherwood Album Mix) / The 13th (Feels Good) / This Is A Lie (Ambient Mix) / Gone! (Critter Mix) / Strange Attraction (Strange Mix) (US, AUS; CD)
    1997 - Wrong Number (Single Mix) / Analogue Exchange Mix / Digital Exchange Mix / Dub Analogue Exchange Mix
    2001 - Cut Here / Signal To Noise / Cut Here (Missing Mix) / Cut Here (CDROM Video)
    2004 - The End Of The World / This Morning / Fake / The End Of The World (Video)
    2004 - The End Of The World / This Morning (Pocket-CD)
    2004 - Taking Off / Why Can't I Be Me? / Your God Is Fear / Taking Off (Video)
    2004 - Taking Off / Why Can't I Be Me? (Pocket-CD)
    2004 - Alt.End / Why Can't I Be Me? / Your God Is Fear ( US)


    COMPILAÇÕES


    1980 - Boys Don't Cry
    1981 - Happily Ever After (Seventeen Seconds e Faith;– Só à venda no mercado Norte Americano)
    1983 - Japanese Whispers
    1986 - Standing on a Beach/Staring at the Sea - The Singles (Compilação de Singles 1978-1986)
    1990 - Mixed Up (Compilação com remixes de Cure-Singles)
    1993 - Lost Wishes (Compilação com instrumentais das "Wish"-Sessions)
    1997 - Galore - The Singles 1987-1997 (Compilação de Singles 1987-1997)
    2001 - Greatest Hits (Compilação de 18 Cure-Singles)
    2004 - Join The Dots : B-Sides & Rarities 1978-2001 (The Fiction Years) (Box Set com os B-sides e raridades durante este período)


    ALBUNS AO VIVO

    1984 - Concert - The Cure live (Ao vivo em Londres & Oxford 84)
    1991 - Entreat (Ao vivo no Wembley 89; edição limitada)
    1993 - Paris (Ao vivo em Paris 92)
    1993 - Show (Ao vivo em Michigan 92)
    1993 - Sideshow (Ao vivo em Michigan 92; promocional do Show)
    1997 - Five Swing Live (Ao vivo no Reino Unido 96; Edição limitada a 5000 unidaddes)

    VIDEOS

    1985 - Live In Japan (Concerto em Tóquio 1984; Só editado no Japão)
    1985 - The Tea Party Videoclips; só editado no Japão)
    1986 - Staring At The Sea - The Images - (Videoclips + Shortclips)
    1987 - In Orange (Concerto em Orange, França 1986)
    1991 - Picture Show (Videoclips + Shortclips)
    1991 - Play Out (Ao vivo + material diverso)
    1993 - Show (Concerto de Michigan 1992)
    1997 - Galore (Videoclips)
    2001 - Greatest Hits (Videos + Hits acústicos + Videos escondidos)
    2003 - Trilogy (Concertos de Berlim 2002)
    2006 - Festival 2005 (Festivais de Verão 2005)

    SAMPLERS E BANDAS SONORAS

    1994 - The Crow [Música: Burn]
    1995 - Devolution 1 [Música: A Forest (12" Mix)]
    1995 - Judge Dredd - [Música: The Dredd Song]
    1996 - For The Masses [Música: World In My Eyes (Cover dos Depeche Mode-Hits)]
    1998 - X-Files [Música: More Than This]
    2000 - American Psycho [Música: Watching Me Fall (Underdog Remix)]
    2005 - Toggo Music 11 - [Música: The Dragon Hunters Song]
    2007 - Marie Antoinette - [Músicas: Plainsong, All Cats Are Grey]


    Os The Cure têm feito vídeos para os seus singles desde 1980, quando fizeram o seu primeiro vídeo para A Forest. Os seus primeiros vídeos têm sido descritos como "cenas tenebrosas" e têm sido difamados pela sua fraca qualidade, particularmente pela própria banda. Lol Tolhurst disse um dia, "aqueles videos eram absolutos desastres; nós não eramos actores e as nossas personalidades não se cruzavam"Foi com o vídeo para a Let's Go To Bed, a sua primeira colaboração com o realizador Tim Pope, que os Cure ficaram conhecidos pelos seus vídeos. Pope viria a gravar a maioria dos vídeos dos Cure, e os seus vídeos ajudaram sem dúvida a aumentar o numero de fãs nos anos 80.

    Quando realizava os vídeos dos Cure, foi concedido a Pope o controlo de escolher qualquer conceito que ele quisesse, que foi desde meter a banda num guarda-fatos e atirá-los por um precipício até ao mar (Close To Me), a ter uma aranha gigante a devorar Robert Smith (Lullaby). Pope explicou a atracção por trabalhar com os Cure ao dizer, "Os Cure são o expoente máximo para um realizador trabalhar, porque ele (Robert Smith) entende realmente a câmara. As suas músicas são tão cinemáticas. Quero dizer, por um lado há a estupidez e o humor, certo, mas interiormente está lá toda a obsessão psicológica e claustrofóbica (de Smith)."

    MEMBROS ACTUAIS

    Robert Smith: guitarra, vocal, baixo, teclas e violino (1976 - presente)
    Porl Thompson: guitarra, teclas e saxofone (1976 - 1978, 1984 - 1992, 2005 - presente)
    Simon Gallup: baixo e teclas (1979 - 1982, 1985 - presente)
    Jason Cooper: bateria (1995 - presente)


    EX MEMBROS

    Matthieu Hartley: teclas (1979 - 1980)
    Andy Anderson: bateria (1983 - 1984)
    Phil Thornalley: baixo (1983 – 1984)
    Boris Williams: bateria (1984 - 1993)
    Roger O'Donnell: teclas (1987 – 1990, 1995 - 2005)
    Perry Bamonte: teclas e guitarra (1990 - 2005)
    Michael Dempsey: baixo (1976 – 1979)
    Laurence Tolhurst: bateria e teclas (1976 – 1989)


    PRÉMIOS

    Certificados da RIAA
    Informações retiradas da base de dados da RIAA.

    The Head On The Door - Disco de ouro (18 de Março de 1991)
    Standing on a Beach - Disco de dupla platina (12 de dezembro de 1997)
    Staring At The Sea - The Images - Disco de platina (27 de setembro de 1989)
    The Cure In Orange - Disco de platina (18 de Janeiro de 1990)
    Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me - Disco de platina (14 de agosto de 1990)
    Disintegration - Disco de dupla platina (1 de julho de 2004)
    Mixed Up - Disco de platina (11 de agosto de 1992)
    Picture Show - Disco de ouro (11 de Maio de 1993)
    Wish - Disco de platina (16 de Junho de 1992)
    Wild Mood Swings - Disco de ouro (1 de julho de 1996)
    Galore - Disco de ouro (17 de Outubro de 2001)
    Trilogy - Disco de platina (26 de julho de 2005)

    Certificados da BPI
    Informações retiradas da base de dados da Indústria Fonográfica Britânica.

    Boys Don't Cry - Disco de platina (1 de Março de 1991)
    The Head On The Door - Disco de ouro (9 de Dezembro de 1985)
    Standing on a Beach - Disco de ouro (17 de Junho de 1986)
    Disintegration - Disco de ouro (5 de Maio de 1989)
    Mixed Up - Disco de ouro (26 de Novembro de 1990)
    Wish - Disco de ouro (1 de Maio de 1992)

    Award Shows

    "Fascination Street" — Best Post Modern Video, MTV Video Music Awards (1990) (indicação)
    "Lullaby" — Best British Music Video, Brit Awards (1990) (vencedor)[99]
    The Cure — British Group, Brit Awards (1991) (vencedor)[99]
    Wish — Best Alternative Music Performance, Grammy Awards (1993) (indicação)
    Bloodflowers — Best Alternative Music Performance, Grammy Awards (2001) (indicação)







    Última edição por Elektra em Qua Ago 24, 2011 2:08 pm, editado 1 vez(es)

    Inominável Ser
    Admin
    Admin

    Mensagens: 779
    Data de inscrição: 19/05/2010
    Idade: 38
    Localização: Onde vivem os mortos

    Re: The Cure

    Mensagem  Inominável Ser em Qua Nov 17, 2010 9:20 am

    É uma grande banda, tenho Apart como a música dela que mais me agrada, a letra é de uma sensibilidade ímpar, bem rara.

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qua Ago 24, 2011 2:11 pm

    Os albuns....


    THREE IMAGINARY BOYS






    Edição original de 1979

    10:15 Saturday Night
    Accuracy
    Grinding Halt
    Another Day
    Object
    Subway Song
    Foxy Lady (Jimi Hendrix)
    Meathook
    So What
    Fire in Cairo
    It's Not You
    Three Imaginary Boys
    Untitled (a.k.a. "The Weedy Burton", faixa escondida)



    Edição especial de 2004

    CD 1

    10:15 Saturday Night
    Accuracy
    Grinding Halt
    Another Day
    Object
    Subway Song
    Foxy Lady (Jimi Hendrix)
    Meathook
    So What
    Fire in Cairo
    It's Not You
    Three Imaginary Boys
    The Weedy Burton

    CD 2

    O segundo cd contém raridades de 1977 a 1979.

    I Want to Be Old (SAV studio demo, October 1977, previously unreleased)
    I'm Cold (SAV studio demo, November 1977)
    Heroin Face (live in The Rocket, Crawley, December 1977, previously available on Curiosity)
    I Just Need Myself (PSL studio demo, January 1978, previously unreleased)
    10:15 Saturday Night (Robert Smith home demo, February 1978)
    The Cocktail Party (group home demo, March 1978, previously unreleased)
    Grinding Halt (group home demo, April 1978)
    Boys Don't Cry (Chestnut studio demo, May 1978, previously available on Curiosity)
    It's Not You (Chestnut studio demo, May 1978)
    10:15 Saturday Night (Chestnut studio demo, May 1978)
    Fire in Cairo (Chestnut studio demo, May 1978)
    Winter ('TIB' studio out-take, October 1978, previously unreleased)
    Faded Smiles (aka "I Don't Know") ('TIB' studio out-take, October 1978, previously unreleased)
    Play with Me ('TIB' studio out-take, October 1978, previously unreleased)
    World War" (on early copies of Boys Don't Cry)
    Boys Don't Cry (also on Boys Don't Cry)
    Jumping Someone Else's Train (also on Boys Don't Cry)
    Subway Song (live in Nottingham, October 1979, previously available on Curiosity)
    Accuracy (live in Nottingham, October 1979)
    10:15 Saturday Night (live in Nottingham, October 1979)



    Com forte influência do punk, minimal onde os The Cure procuram o seu caminho.







    Última edição por Elektra em Qui Ago 25, 2011 1:57 pm, editado 1 vez(es)

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qua Ago 24, 2011 2:16 pm

    SEVENTEEN SECONDS







    A Reflection" (Instrumental)
    Play for Today
    Secrets
    In Your House
    Three
    The Final Sound" (Instrumental)
    A Forest
    M
    At Night
    Seventeen Seconds

    Edição limitada de 2005
    com 2 cds

    Disco 1
    album original 1980

    Disco 2
    I'm a Cult Hero (vinyl single by Cult Hero)
    I Dig You (vinyl single by Cult Hero)
    Another Journey by Train" (instrumental home demo)
    Secrets (instrumental home demo)
    Seventeen Seconds (live)
    In Your House (live)
    Three (alt studio mix)
    I Dig You (Cult Hero live)
    I'm a Cult Hero (Cult Hero live)
    M (live)
    The Final Sound (live)
    A Reflection (live)
    Play for Today" (live)
    At Night" (live)
    A Forest" (live)





    Este segundo album leva os The Cure a um lugar muito escuro ....é claro que eles ainda iriam para locais ainda mais escuros nos dois albuns seguintes.Este é conhecido como a primeira parte da triologia Dark "The Dark Trilogy",que foi seguido por Faith e Pornography.
    Marca uma grande mudança no som dos The Cure, mais claustrofóbico,assombroso.






    Última edição por Elektra em Qui Ago 25, 2011 1:58 pm, editado 1 vez(es)

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qua Ago 24, 2011 2:19 pm

    FAITH





    Original de 1981

    The Holy Hour
    Primary
    Other Voices
    All Cats Are Grey
    The Funeral Party
    Doubt
    The Drowning Man
    Faith

    Long-play cassette bonus track
    Carnage Visors

    Edição de 2005

    Disco 1
    Album Original incluindo Carnage Visors como a faixa nº9
    Uma versão posterior do cd só tem o album original (exclui o tema 9 Carnage Visors)


    Disco 2
    (Raridades 1980-1981)
    Faith (Robert Smith home demo)
    Doubt (Robert Smith home demo)
    Drowning (group home demo)
    The Holy Hour (group home demo)
    Primary (studio out-take)
    Going Home Time (studio out-take)
    The Violin Song (studio out-take)
    A Normal Story (studio out-take)
    All Cats Are Grey (live)
    The Funeral Party (live)
    Other Voices (live)
    The Drowning Man (live)
    Faith (live)
    Forever (live)
    Charlotte Sometimes (single)





    A imagem da capa é uma imagem de Bolton Abbey no nevoeiro.
    Faith é uma ninhada de atmosferas e sombras, ainda que num assomo de raiva na canção Doubt e alguns abismos no tema Primary,é visto como o album intermédio da "Dark Trilogy" que começa como referi anteriormente em Seventeen Seconds e termina com Pornography. Um dos temas ,The Drowning Man,é inspirado nas novelas de Gormenghast de Mervyn Peake.

    Este album foi lançado no dia de aniversário de Robert Smith.
    É o primeiro album que tem uma guitarra baritono e baixo de 6 cordas.







    Última edição por Elektra em Qui Ago 25, 2011 1:59 pm, editado 2 vez(es)

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qua Ago 24, 2011 2:22 pm

    PORNOGRAPHY





    One Hundred Years
    A Short Term Effect
    The Hanging Garden
    Siamese Twins
    The Figurehead
    A Strange Day
    Cold
    Pornography





    O momento mais negro de Robert Smith.
    Este album é opressivo,brilhante,original.Nunca existiu nada antes e provávelmente nunca existirá nada igual no futuro.
    Todos os momentos deste album são negros, desesperantes e tortuosos.Música sepulcral jamais ouvida.
    A luz só pode ser encontrada do outro lado do desespero.
    A banda por esta altura, esta resumida a 3 elementos:Smith nos vocais,guitarra e teclados.Simon Gallup no baixo e Lawrnece Tolhurst na bateria .Estranhamente talvez tenha sido a falta de talento de Tolhurst (algo que mais tarde o faria ser despedido) que criou muito da atmosfera.A bateria é mecânica e absolutamente morta!
    Os vocais de Smith são desesperados e cheios de imagens bizarras.
    O baixo de Gallup é potente e soberbo, num estilo completamente arrebatador.






    Última edição por Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:00 pm, editado 1 vez(es)

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qua Ago 24, 2011 2:31 pm

    THE TOP






    Original 1984

    Shake Dog Shake
    Birdmad Girl (Smith, Tolhurst)
    Wailing Wall
    Give Me It
    Dressing Up
    The Caterpillar (Smith, Tolhurst)
    Piggy in the Mirror (Smith, Tolhurst)
    The Empty World
    Bananafishbones
    The Top


    Edição de 2006 "Deluxe Edition

    Disco 1

    Album original, igual ao de cima mas com a intro de bateria de "Shake Dog Shake" abreviada e "Bananafishbones" acelarada um semi tom.

    Disco 2

    You Stayed... (Robert Smith Home demo)
    Ariel (Robert Smith Home demo)
    A Man Inside My Mouth (Studio demo)
    Sadacic" (Robert Smith Studio demo)
    Shake Dog Shake (Studio demo)
    Piggy in the Mirror (Studio demo)
    Birdmad Girl (Studio demo)
    Give Me It (Studio demo)
    Throw Your Foot (Studio demo)
    Happy the Man (Studio demo)
    The Caterpillar (Studio demo)
    Dressing Up (Studio alt mix)
    Wailing Wall (Studio alt mix)
    The Empty World (Live bootleg)
    Bananafishbones (Live bootleg)
    The Top (Live bootleg)
    Forever (version) (Live bootleg)




    Depois de Pornography Robert Smith viu-se sem o seu amigo Simon Gallup,que abandonou a banda devido a uma briga.
    Smith então fez uma mudança radical na sua música.The Top é o primeiro album a mostrar essa mudança.
    devido a conflitos na banda e problemas com o line up, Smith escreveu quase todos os temas e tocou quase todos os instrumentos(excepto a bateria), é o que está mais próximo de um album a solo de Smith.É visto como um album de transição e experimental.





    Última edição por Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:01 pm, editado 1 vez(es)

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qua Ago 24, 2011 2:32 pm

    THE HEAD ON THE DOOR






    Original de 1985

    In Between Days
    Kyoto Song
    The Blood
    Six Different Ways
    Push
    The Baby Screams
    Close to Me
    A Night Like This
    Screw
    Sinking

    Edição especial de 2006

    Disco 1
    O original acima mencionado

    Disco 2
    Inbetween Days (Instrumental Demo)
    Inwood (Instrumental Demo)
    Push (Instrumental Demo)
    Innsbruck (Instrumental Demo)
    Stop Dead (Demo)
    Mansolidgone (Demo)
    Screw (Demo)
    Lime Time (Demo)
    Kyoto Song (Demo)
    A Few Hours After This...(Demo)
    Six Different Ways" (Demo)
    A Man Inside My Mouth (Demo)
    A Night Like This (Demo)
    The Exploding Boy (Demo)
    Close to Me (Demo)
    The Baby Screams (Live)
    The Blood (Live)
    Sinking (Live)




    Este album traz o regresso de Simon Gallup e a reentrada oficial de Porl Thompson como membro da banda e também o primeiro album com o baterista Boris Williams, mais o convidado especial Ron Howe dos Fools Dance que faz um solo de saxofone no tema A Night Like This.







    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qui Ago 25, 2011 1:55 pm

    KISS ME, KISS ME, KISS ME







    The Kiss
    Catch
    Torture
    If Only Tonight We Could Sleep
    Why Can't I Be You?
    How Beautiful You Are
    The Snakepit
    Hey You!
    Just Like Heaven
    All I Want
    Hot Hot Hot!!!
    One More Time
    Like Cockatoos
    Icing Sugar
    The Perfect Girl
    A Thousand Hours
    Shiver and Shake
    Fight


    Edição especial de 2006
    Disco 1
    Igual ao acima mencionado com o tema extra Hey You que não consta do original pois na altura por restrições da durabilidade do album .


    Disco 2
    Contém raridades de 1986-1987

    The Kiss (Robert Smith Home demo)
    The Perfect Girl (Studio demo)
    Like Cockatoos (Studio demo)
    All I Want (Studio demo)
    Hot Hot Hot!!! (Studio demo)
    Shiver and Shake (Studio demo)
    If Only Tonight We Could Sleep (Studio demo)
    Just Like Heaven (Studio demo)
    Hey You! (Studio demo)
    A Thousand Hours (Studio alt mix)
    Icing Sugar (Studio alt mix)
    One More Time (Studio alt mix)
    How Beautiful You Are (Live bootleg)
    The Snakepit (Live bootleg)
    Catch (Live bootleg)
    Torture (Live bootleg)
    Fight (Live bootleg)
    Why Can't I Be You? (Live bootleg)


    Originalmente era para ter sido um duplo album, um dos temas Hey You foi retirado devido a restrições do formato cd da altura (aproximadamente 74 min.)

    Mais um sucesso comercial.Mas fricções internas prevaleciam Tolhurst consumia quantidades pesadas de alcóol tornando-se inútil.Roger O'Donnell foi contratado como segundo teclista para tentar compensar mas Tolhurst era essencialmente um peso morto.
    Robert Smith escreveu o tema Shiver and Shake que fala ácerca do papel cada vez menor que Lol tem na banda.
    É também o último album em que participa Porl Thompson nos teclados , daí para a frente só toca guitarra.O convidado especial Andrew Brennan toca saxofone Hey You! e Icing Sugar.

    No fim da tourné Smith sentindo-se pouco confortável com os efeitos de ser uma estrela mudou-se com a noiva Mary Poole para Maida Vale .
    Usando regularmente LSD para suportar a sua depressão Smith uma vez mais sentiu que a essência dos The Cure não estava a ser entendida e decidiu voltar ao lado mais negro da banda no album seguinte.


    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:06 pm

    DISINTEGRATION






    Plainsong
    Pictures of You
    Closedown
    Lovesong
    Last Dance
    Lullaby
    Fascination Street
    Prayers for Rain
    The Same Deep Water as You
    Disintegration
    Homesick
    Untitled


    Os temas Last Dance e Homesick não foram incluidos na versão em vynil.


    Lançado em 1989, este album marca o regresso a um gothic rock mais introspectivo, que a banda já tinha establecido no inicio dos anos 80.
    Este album é o pico dos The Cure, figura entre os melhores albuns de sempre e é seguramente um dos melhores albuns dos anos 80.

    No seu 29º aniversário Smith estava assustado com o facto de dentro de um ano entrar nos 30 e pressionado a escrever a obra prima dos The Cure , afasta-se da banda e é aí deprimido,pois mantinha Lol na banda por amizade e os restantes membros ameaçavam abandoná-lo se não se livrasse de Lol, que se afunda em alucinogénios e foi sobre essa forte influência de drogas que se fez a produção deste album.
    Quando apresenta as demos á banda, Smith ia com a firme determinação de que se não gostassem ele iria lançá-lo como album a solo.Mas os restantes membros gostam... e gravam 32 temas.

    Com um sabor amargo pelo alcoolismo de Lol,desiludido com o ego dos restantes membros, e segundo Smith deprimido com a chegada aos 30 Smith entra na fase do silêncio não falando com ninguém . Olhando para trás Smith afirma que queria que existisse um certo ambiente pesado.
    Lol é finalmente despedido, e ainda que a editora o considera-se um suicidio comercial, Disintegration torna-se o maior sucesso da banda.É o ponto mais alto de um caminho iniciado no inicio dos anos 80.
    É até hoje o album que mais vendeu, com mais de 3 milhões de cópias vendidas.

    Smith escreveu Lovesong como presente de casamento para a sua esposa.E apesar de ser um tema diferente, foi um momento de emoções, segundo Smith "levei dez anos a conseguir sentir-me confortável a cantar uma canção de amor", este tema revela afecto , sem Lovesong Disintegration nunca seria um album diferente.

    Lullaby é composta sobre afiadas cordas de guitarra com um vocal de Smith sussurante.Este tema surge das canções de embalar que o pai de Smith cantava-lhe quando era criança e não conseguia dormir, segundo Smith o pai inventava-as e todas tinham um fim terrível."Dorme...senão amanhã não acordas "










    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:09 pm

    WISH





    Open
    High
    Apart
    From the Edge of the Deep Green Sea
    Wendy Time
    Doing the Unstuck
    Friday I'm in Love
    Trust
    A Letter to Elise
    Cut
    To Wish Impossible Things
    End




    É o último album de estúdio que conta com Boris Williams e o primeiro com Perry Bamonte, assim como é o último a contar com Porl Thompson após dezaseis anos.
    Convidada especial Kate Wilkinson que toca viola no tema To Wish Impossible Things.

    Apesar de não ter sido bem recebido pela critica como Disintegration,é o mais bem sucedido comercialmente.








    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:11 pm

    WILD MOOD SWINGS





    Want
    Club America
    This Is a Lie
    The 13th
    Strange Attraction
    Mint Car
    Jupiter Crash
    Round & Round & Round
    Gone!
    Numb
    Return
    Trap
    Treasure
    Bare


    A edição japonesa conta com mais um tema bónus:

    It Used to Be Me




    Depois de Wish, os The Cure ficaram á beira do fim devido á partida de Porl Thompson e Boris Williams. Simon Gallup foi também forçado a parar devido a problemas de saúde.Os The Cure ficaram reduzidos a Robert Smith e Perry Bamonte.
    No entanto parece que os dois conseguiram aguentar-se o suficiente para Gallup voltar recuperado e convenceram Roger O´Donnell a voltar á banda.
    Este é o primeiro album a contar com o baterista Jason Cooper, que toca em 9 dos 14 temas, uma vez que vários bateristas estavam em audições durante a gravação do album.

    Foi um album mal recebido pelos fans, vendeu cerca de um milhão de cópias em comparação com o album Wish que vendeu 4 milhões.



    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:14 pm

    BLOODFLOWERS






    Out of This World
    Watching Me Fall
    Where the Birds Always Sing
    Maybe Someday
    The Last Day of Summer
    There Is No If...
    The Loudest Sound
    39
    Bloodflowers


    Coming Up é um tema bónus que surge sómente na versão autraliana e na japonesa .Não aparece em mais nenhum cd, mas aparece em todas as versões em vynil.


    Bloodflowers é considerado por muitos fans como um retorno da banda ás suas raízes.
    É o terceiro album da triologia de Robert Smith (dos albuns em que ele sente que expressou os The Cure mais)
    Em 2002, a banda tocou Pornography, Disintegration, e o Bloodflowers ina íntegra em Berlin para os fans e lançou um DVD em 2003 deste concerto chamado The Cure: Trilogy.

    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:15 pm

    THE CURE





    Lost
    Labyrinth
    Before Three
    The End of the World
    Anniversary
    Us or Them
    alt.end
    (I Don't Know What's Going) On
    Taking Off
    Never
    The Promise
    Going Nowhere (excluido do cd EUA)

    Temas bónus:

    Truth Goodness and Beauty(no cd Europeu, Japonês e na edição em vynil)
    Fake (Jna edição japonesa e na de vynil)
    This Morning ( só no vinyl )

    Bonus DVD

    Someone's Coming (versão alternativa de Truth Goodness and Beauty)
    Back On (versão instrumental de Lost)
    Jason 3 (versão instrumental de Never)
    The Broken Promise (versão instrumental de The Promise)





    Lançado a 28 de Junho de 2004 pela Geffen Records. As edições iniciais incluiam um dvd de bónus com um documentário ácerca da concepção dos três temas.



    Elektra
    Admin
    Admin

    Mensagens: 974
    Data de inscrição: 19/05/2010

    Re: The Cure

    Mensagem  Elektra em Qui Ago 25, 2011 2:19 pm

    4:13 DREAM





    Underneath the Stars
    The Only One
    The Reasons Why
    Freakshow
    Sirensong
    The Real Snow White
    The Hungry Ghost
    Switch
    The Perfect Boy
    This. Here and Now. With You
    Sleep When I'm Dead
    The Scream
    It's Over





    Lançado a 28 de Outubro de 2008, era para ser um duplo album no enatnto dos 33 temas gravados só estes treze ficaram no album.
    Algumas são recicladas de gravações de estúido anteriores tais como: Sleep When I'm Dead que foi escrita originalmente em 1985 para o album The Head on the Door e A Boy I Never Knew uma regravação de um tema que não foi lançado no album The Cure de 2004.

    Segundo Smith os restantes temas gravados talvez surjam num album mais dark no futuro...

    No Myspace da banda foi anunciado que cada dia 13 iria sair um single antes do lançamento do album,respectivamente em Maio,Junho,Julho e Agosto.

    The Only One saiu a 13 de Maio
    Freakshow a 13 de Junho
    Sleep When I'm Dead a 13 de Julho
    The Perfect Boy saiu a 13 de Agosto








      Data/hora atual: Ter Set 30, 2014 8:47 am